Só a Vergonha Vai Salvar o Brasil

Depois de uma semana de buscas – sem muita dedicação do governo , o Brasil acordou com essa notícia no gélido 13 de junho

Informação do André Trigueiro confirmando as mortes de Dom Phillips e Bruno Pereira

Apesar disso (e da informação ter sido dada por um órgão do governo brasileiro, a embaixada do Brasil no Reino Unido), a Polícia Federal (aparelhada pelo Bolsonaro desde 2019) insiste em dizer que não é verdade:

PF dizendo “não procedem as informações”

Independente dos desmentidos, uma coisa é fato: um dos maiores indigenistas do Brasil e um grandioso jornalista internacionalmente reconhecido certamente foram mortos em um contexto em que isso causa desgaste ao governo Bolsonaro. E por isso a informação segue truncada. Afinal, o Brasil de Bolsonaro é o Brasil em que literalmente nenhuma informação oficial é confiável porque absolutamente tudo vira alvo de uma maldita “guerra cultural”. Absolutamente tudo é feito sob o prisma “no que isso pode ajudar ou prejudicar o líder supremo?”

É de chorar de raiva, eu sei. Mas é também para termos algo maior que raiva: vergonha. Esqueçam o nacionalismo. Esqueçam o orgulho verde e amarelo. Que nosso orgulho seja sempre incrédulo, que a resposta à pergunta “você é de qual país?” sempre venha com a voz baixa e desviando o olhar.

O nacionalismo costuma produzir coisas horríveis. No Brasil, os dois governos que mais usaram o nacionalismo como arma política também foram os dois que mais cometeram atrocidades: o governo da ditadura militar (especialmente com Médici) e o governo Bolsonaro. No Brasil, o nacionalismo promoveu o orgulho da abominação, da destruição, da “marcha para o oeste” que destrói a floresta e os povos originários.

Existem outros países que de alguma forma ressignificaram seus nacionalismos, como Alemanha e Japão. Esses países foram subjugados e tiveram suas atrocidades expostas. Com essas atrocidades expostas, a ressignificação nacional veio de outras maneiras. O primeiro e mais importante passo foi a autolimitação militar. Quer dizer, não foi exatamente uma “autolimitação”, mas, a medida em que as forças de ocupação foram diminuindo seu papel, esses países perceberam que a autolimitação era positiva. A Alemanha se tornou o país da indústria eficiente. O Japão, o país da tecnologia e da pujança econômica. Em ambos os casos, o orgulho nacional passou a ser mais vinculado à reconstrução do que a guerra.

Hoje, é como se o Brasil estivesse na guerra, cometendo as mais terríveis atrocidades em nome de um orgulho nacional estúpido, artificial, com aroma de putrefação. É preciso que nossas atrocidades como país sejam expostas uma a uma, e que a vergonha nos una, para que possamos de fato nos autolimitar, para que possamos punir como criminosos de estado (especialmente os militares), e para que possamos trocar quietos nosso processo de reconstrução, com vergonha, sem medo de pedir ajuda para terceiros.

Mas tem um fator no Brasil que é diferente da Alemanha, do Japão, ou mesmo da Rússia expansionista atual: o impulso de destruição dos aparatos de violência brasileiros é contra o brasileiro. Por isso, a necessidade de autocontenção é ainda mais urgente. A autocontenção no Brasil deve ser draconiana e abrangente: das Forças Armadas às polícias estaduais, todos devem ser contidos. O Brasil está em uma guerra civil declarada há décadas, em que uma parte da população (essencialmente preta e pobre) é dizimada para atender os interesses econômicos de uma galera e o desejo quase erótico de alguns homens de pinto murcho por um estado policial. O que vai conter essa galera? A vergonha. A exposição das atrocidades e a punição sistemática delas. Mas para isso o orgulho da atrocidade em nome do “Brasil acima de tudo” precisa ser combatido como um combate existencial mesmo.

Trabalhar a contenção é a única esperança para que, daqui uns cinquenta anos, nossos netos possam ter algum orgulho de um Brasil novo, ressignificado, que ainda não conhecemos. E mesmo assim um orgulho amargo, de fundo melancólico, porque já matamos gente demais em nome do “orgulho brasileiro”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s