Falta Capilaridade Para a Esquerda

Sabe qual é o grande problema da esquerda no Brasil, que vai além até das posições ideológicas? Falta de capilaridade.

Quando fomos procurar partidos pra apoiar a candidatura do Bruno Daniel em 2020, ficamos surpresos em saber que PCB e UP não tinham diretório em Santo André.

Estamos falando de Santo André, a 25a maior cidade do Brasil, e os dois partidos nem tinham como lançar candidatos porque não tinham um diretório constituído.

O Psol mesmo, que é muito maior, tinha diretório em só 109 dos 645 municípios paulistas em 2020. É ridiculamente pouco.

Os únicos partidos de esquerda que tem mais capilaridade nesse sentido são PT e PSB. Nem o PC do B tem muita capilaridade, por mais que seja antigo. Daí, nas cidades pequenas e médias, o debate político fica restrito às pautas de direita e centro direita.

Até porque o PT perdeu poder de fogo em muitas dessas cidades (exceto no Nordeste), e o PSB se notabiliza por ter abrigado quadros conservadores em cidades menores, que muitas vezes flertavam com o bolsonarismo. Por mais que eles estejam tentando mudar o perfil, não é algo fácil.

Com isso, a esquerda fica praticamente alijada da discussão política nesses locais. E ela é cada vez mais dominada por atores bolsonaristas, como os do agronegócio, por exemplo, afinal grande parte desses municípios têm forte dependência econômica em relação ao agronegócio.

Pequenos produtores sofrem com a falta de referências, bem como os trabalhadores locais. Movimentos como o dos Sem Terra são criminalizados sem muita capacidade de criarem um contraponto. E a maioria da esquerda urbana ignora esses movimentos porque não pensa além da sua cidade. Mas a esquerda precisa aprender a pensar o país de maneira integrada.

É por isso que movimentos como o do Lula em viajar pelo país são importantes. Porque a mera passagem dele pode ajudar a organizar pessoas que se identificam com a esquerda em escala local, não é difícil abrir um diretório municipal, bastam 150 assinaturas pra comissão provisória.

Mas se a esquerda quer mesmo ter alguma relevância no debate político, se quer eleger mais do que 150 deputados, ir para o interior é essencial, capilarizar os movimentos é urgente, a integração com produtores e trabalhadores além dos grandes centros é imperativa.

Se isso não for feito, cenários bizarros como o da existência de partidos que não tem diretório organizado na 25a maior cidade do país tendem a se repetir.

E eu entendo quem não acredita na política institucional. Eu mesmo reconheço as enormes limitações dela. Mas não existe vácuo de poder: se você não quer participar da política, alguém provavelmente menos qualificado vai tomar esse espaço.

Se os espaços institucionais não são ocupados pela esquerda, as discussões e pautas políticas tendem a ir cada vez mais para a direita. Foi o que aconteceu entre 2016 e 2018, em grande medida. E hoje temos mais gente de extrema direita do que de esquerda na Câmara.

Por isso, é hora de capilarizar os partidos de esquerda, de chamar mais gente pra discussão, formar uma força-tarefa nos partidos para isso, criar manuais de como montar seu diretório municipal de forma fácil.

É preciso facilitar a organização espontânea dos movimentos. Se não a energia transformadora deles se perde e não se torna algo com implicações práticas.

Um comentário sobre “Falta Capilaridade Para a Esquerda

  1. E seguem persistente a falta de aproveitamentos dos potenciais, sejam do “teu” mencionado ABCD (SP) ou da “minha” Baixada Fluminense; entre outros grupos de cidades médias (e mais tristemente para os interiores “quase inacessíveis”)…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s