O Bom Sinal da Diversidade nos Gibis

Super-Homem bissexual e 5 outros heróis que romperam barreiras nos  quadrinhos - BBC News Brasil
Superman e Seu Companheiro – Fonte: BBC

O caso do gibi em que o Superman se revela bissexual fala muito sobre a não aceitação atual da homofobia em ambientes como o do vôlei, mas também fala sobre uma mudança de cultura muito mais profunda na sociedade. Empresas promovem a inclusão de grupos outrora marginalizados quando veem que esses grupos são progressivamente aceitos na sociedade, não o contrário.

A nossa sociedade capitalista meritocrática liberal (sempre vou agradecer ao Branko Milanovic pelo conceito) tem como característica a redução do conceito de inclusão ao conceito de inclusão na sociedade de consumo. Isso quer dizer que a concepção de um Superman bissexual é um sinal de que a temática da inclusão LGBTQI+ 1) Atrai atenção da sociedade, colocando um personagem icônico da DC (na verdade o filho dele) no centro de uma discussão sobre inclusão 2) Vende, afinal estamos falando de um tema largamente discutido pela sociedade e que representa uma inovação dentro do cenário de um universo específico de histórias em quadrinhos da DC Comics.

E é esse o interesse final. A DC Comics entendeu que tem mais a ganhar do que a perder, financeiramente falando, ao trazer a dimensão da sexualidade não heteronormativa à tona. Não cabem romantismos exacerbados aqui.

Há também um benefício marginal relacionado à imagem da empresa enquanto vanguarda em relação ao tema, sendo que na verdade empresas como a DC trataram a questão com menos relevância do que deveriam nas últimas décadas.

Mas a inclusão em si é ótima. Porque é um termômetro de que a sociedade de fato parece mais permeável a abraçar esses temas. Especialmente os jovens, público predominante das histórias em quadrinhos da empresa. Quando empresas de diversas áreas, da DC Comics à Boticário, entendem que esses temas são importantes, a discussão se aprofunda em todos os demais setores da sociedade, ainda que muitas das manifestações sejam refratárias, como a do agora ex-jogador de vôlei do Minas Tênis Clube que se posicionou de forma homofóbica. Sobre o Minas Tênis Clube, só é lamentável a demora em se posicionar e o fato de ter feito isso só após ser pressionado pelos patrocinadores. Também fica aqui a DENÚNCIA de que um time chamado “Tênis Clube” tem no time de vôlei sua principal equipe esportiva no momento, mas talvez seja uma denúncia menos relevante.

É claro que residem dois problemas aí. O primeiro deles é o das empresas que se dizem inclusivas só para terem acesso ao chamado “pink money”, tendo acesso a renda aquisitiva dos LBTQI+ sem de fato promover políticas de inclusão. Não parece ser o caso da DC Comics atualmente, uma vez que o próprio colorista da revista do Superman bissexual, Gabe Eltaeb, foi demitido após declarações preconceituosas. A revista inclusive foi recolorida.

O segundo problema é a reflexão sobre quais mudanças de fato a sociedade vai abraçar ao discutir essa temática. Inclusão sem transformação frequentemente resulta em alienação, e a alienação é característica da nossa sociedade capitalista em relação aos grandes movimentos de minorias. A incorporação desses movimentos não pode ser uma ferramenta de enfraquecimento deles pelo sistema, tem que produzir mudanças de fato. E esse desafio é muito maior do que lidar com as vozes do atraso que ainda são tão frequentes nas redes sociais (e infelizmente estão sentadas nas cadeiras mais importantes do país)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s