Bolsonaro Está Assinando Uma Sentença de Morte Para os Pobres

O governo Bolsonaro anunciou que quer fazer o Auxílio Brasil “para todos”, a partir de novembro de 2021, no valor de R$ 400. É uma proposta completamente eleitoreira, mas a discussão foi rapidamente por outro caminho: o do teto de gastos, regra criada no governo Temer e que será deliberadamente rompida por Bolsonaro para pagar pelo auxílio.

A questão é que Bolsonaro precisa de uma bandeira para apresentar na eleição de 2022. Precisa se vender como “bondoso”, após sua popularidade chegar no piso e ele ser rejeitado por mais de 60% da população.

Daí, na sexta-feira 22, o noticiário é inundado por ameaças de demissão de Paulo Guedes após dois de seus secretários pedirem o chapéu. Não importa que um desses Secretários seja o cara que impediu que o governo destinasse orçamento para o combate à pandemia em 2021 por achar que a pandemia ia acabar em novembro de 2020. O mercado especulativo estava apavorado por julgar que esses “técnicos” iam deixar o governo. Nenhuma novidade aí, afinal todos sabemos que Paulo Guedes está no Ministério da Economia pra favorecer especulador em detrimento da população mesmo, e eles nem disfarçam mais. É só ver o desespero com a questão do embargo chinês à carne brasileira: os caras preferem segurar os abates do que baratear a carne no mercado nacional. Enquanto isso, a população segue indo atrás de osso pra comer.

No final, Paulo Guedes ficou e o teto de gastos será quebrado. Ficou porque é um bundão mais interessado na mamata do que em qualquer possível princípio. Mas essa discussão toda oculta o aspecto mais nefasto do projeto do Auxílio Brasil.

Uma Sentença de Morte Para os Mais Pobres

Em nome da reeleição, Bolsonaro está condenando à morte as pessoas mais pobres do país. É como se Bolsonaro dissesse para eles se apresentarem na estação ferroviária de Umschlagplatz em janeiro de 2023. E a permanência de Paulo Guedes mostra que ele se dispôs a ser o Lutz Schwerin von Krosigk da vez. Não é um exagero falar nesses termos, uma vez que Bolsonaro está desmantelando toda a estrutura de políticas sociais existentes para estourar o caixa do governo e montar um “Auxílio Brasil” que só existirá até DEZEMBRO DE 2022.

É isso mesmo. Todo o esforço cessa em dezembro de 2022. Se não houver uma articulação forte da sociedade, em janeiro de 2023 teremos uma multidão de brasileiros sem Auxílio Brasil e sem Bolsa Família. Tudo em um cenário de inflação acelerada, com o governo mantendo políticas que geram aumento de preços. E as contas públicas quebradas. Ou seja: mesmo que Bolsonaro não se reeleja, vai ser muito difícil reestruturar as políticas sociais e econômicas para que não tenhamos uma grande fome no Brasil em 2023, muito mais grave do que a que estamos passando em 2021.

É inacreditável que, nessas alturas, os analistas políticos se prendam a questões como o teto dos gastos quando temos essa avalanche a caminho. A questão social no Brasil recrudesceu com Bolsonaro, e todas as políticas estão desestruturadas. Além disso, a economia também está desestruturada, e o Brasil não tem a menor condição de resolver isso com crescimento econômico porque nem energia para isso há (estou falando literalmente de energia elétrica. Não parece, mas estamos no meio de uma crise hídrica e energética).

O que fazer?

A única solução possível para o Brasil nesse cenário é o fim do bolsonarismo hoje. O Brasil precisa ficar um ano “arrumando a casa” para ter condições mínimas de evitar a crise que se avizinha, e a pessoa menos recomendada para isso é a pessoa que criou essa crise.

É preciso revisar regras, para que o agronegócio e os acionistas da Petrobrás não lucrarem de maneira perniciosa enquanto o Brasil vê os alimentos encarecerem nos supermercados e o combustível faltar nos postos de gasolina (ou ser vendido a valores astronômicos). É inaceitável ver os mercados e os legisladores aceitando de bom grado esse tipo de estelionato eleitoral antecipado.

E é bom frisar: o problema não é a regra do teto em si. O problema é a grade de prioridades desse governo. Os setores progressistas querem um sistema de renda básica permanente, que não seja condicionado ao processo eleitoral. Inclusive o auxílio de R$ 600 só surgiu por proposta da esquerda – Paulo Guedes queria pagar R$ 200. Mas isso tem que vir de outros lugares: os ricos precisam pagar mais impostos, por exemplo. É preciso parar com os mecanismos de transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos, que tem hoje como exemplos a política de privilégio ao agronegócio em detrimento dos pequenos agricultores e da preservação ambiental, e também a desregulamentação do mercado que incentiva os subempregos. Essa conta precisa ser paga pelos bilionários, e não pela parcela da sociedade não tem dinheiro nem pra comer. Os ricos estão cada vez mais ricos, a concentração de renda no Brasil aumentou absurdamente na pandemia, como é possível ver nesse levantamento do Banco Credit Suisse:

Não há motivos para que os ricos não paguem pela recuperação social no pós pandemia se eles foram os que mais ganharam na pandemia. E por isso é preciso combater hoje a perversidade de empresários bolsonaristas que ficam de gabando em dizer que faturam R$ 30 milhões por dia, que nem faz Luciano Hang. Deveria ser motivo de vergonha faturar tudo isso enquanto tem gente literalmente catando comida no lixo para ter o que comer.

Um comentário sobre “Bolsonaro Está Assinando Uma Sentença de Morte Para os Pobres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s