O Tabatismo e a Meritocracia

Ninguém mais aguenta falar da Tabata Amaral. Ninguém mais aguenta ler sobre a Tabata Amaral. Ninguém aguenta mais ouvir sobre a Tabata Amaral.

Tudo porque ela votou a favor da Reforma da Previdência contra a orientação de seu partido, o PDT. Ao fazer isso, deixou profundamente decepcionado aquele que até ontem era considerado o seu mentor na política: Ciro Gomes.

Mas há uma diferença aí entre o mentor e o financiador. A campanha da Tabata teve diversas doações de grupos que se fortaleceram nos últimos anos. RenovaBR, Acredito, líder RAPS. O que é isso, afinal?

Eu admito que votei na Tabata Amaral. E não tenho problema em declarar que errei nesse sentido. Mas ao mesmo tempo a lógica que embasou o meu voto (e os votos que eu atraí pra ela) segue válida: a lógica aqui é a do combate incessante ao projeto fascista de Bolsonaro, e nessa luta, quanto mais barricadas na frente, melhor.

Eu conheço o meio social em que eu convivo. Eu sou um cidadão de classe média, evangélico, que tem convívio com mais gente de classe média, quase todos “remediados”. Gente que vai ser prejudicada pela Reforma da Previdência, e por isso mesmo eu me arrependo de ter recomendado o voto na Tabata.

Mas, ao mesmo tempo em que eu me arrependo, eu também não me arrependo tanto assim. Porque eu sei que a grande maioria das pessoas que eu conheço e que eu fiz votar na Tabata jamais votariam no PT e no Psol, especialmente com a campanha de demonização desses partidos junto ao público evangélico que foi feita na eleição de 2018. Se essas pessoas não votassem na Tabata, provavelmente votariam no candidato conservador que o pastor recomendou. Ou o tio reaça. Então, no limite, segue sendo melhor que o PDT tenha mais um deputado, ao invés do PSL, do PSC ou do Partido Novo.

A importância da Tabata é essa: ela atrai para o PDT, um partido trabalhista, votos que a esquerda jamais teria. A Tabata é traidora? Chamem ela como quiserem. Mas, graças a Tabata, temos um ou dois deputados bolsominions a menos no Congresso, e, nesses tempos sombrios, cada representante é importante demais.

Agora, o que ela pensa? A Tabata se formou em Harvard, teve financiamento do João Paulo Lemann e é vinculada ao Acredito. Olhando as diretrizes do movimento em questão, é difícil encontrar uma correspondência no Brasil. A correspondência mais próxima está no estabilishment do Partido Democrata dos EUA. Os liberais no sentido de “oposição aos conservadores”. E, enquanto “oposição aos conservadores, esse grupo age para solucionar os problemas dentro de um contexto de democracia liberal capitalista.

É algo que não existe no Brasil atualmente. Porque os liberais no Brasil sempre agiram aliados às forças conservadoras. Essa aliança fez com que a esquerda assumisse, no Brasil, um formato mais pronunciado, seja com a experiência do PT (e suas ramificações, como o Psol), seja com a experiência trabalhista, que não nasceu na esquerda, mas passou a fazer parte do “campo progressista” ao se posicionar contra as forças liberal-conservadoras que governaram o Brasil pela maior parte da nossa República, em regimes democráticos ou ditatoriais.

Caras como Lemann e Luciano Huck pensam que podem tornar a política brasileira algo similar ao modelo dos EUA, em que liberais e conservadores estão em campos opostos, ambos sendo capitalistas sem contestação. O sonho dessa turma é tornar o Brasil um país de democratas e republicanos, em que o modelo capitalista que forma bilionários como Lemann nunca está em risco. Parece um plano genial. Mas na verdade é algo bem estúpido, que parte de uma péssima leitura de contexto. Esse jeito de pensar ajudou a eleger o Trump, e fez com que acontecesse o impensável na política americana: o surgimento de um movimento autodeclarado de esquerda dentro do Partido Democrata, com chances reais de ganhar a indicação para a disputa presidencial. No Brasil, maia pobre e desigual, as consequências devem ser ainda piores.

Apesar de todas essas evidências contrárias, Tabata pensa sob essa lógica. Por ter saído de uma família pobre e ter conhecido as mazelas da periferia, ela tem preocupação social e realmente acredita que a educação tem efeito transformador. Mas ela só sabe operar sob a lógica do mercado, da meritocracia, basicamente porque ela é um exemplo vivo disso. Conseguiu as coisas na vida porque se destacou estudando e atraiu a atenção de financiadores. Aprendeu muita coisa na teoria, mas talvez não tenha entendido o mais importante ainda: que a história de vida dela não é a regra e sim a exceção.

Nesse tema em específico eu posso falar com autoridade, porque já estive sob esse mesmo mindset. Eu também sou o cara que veio de uma família pobre e que, em certo momento da minha vida, achei que ganharia o mundo com a minha inteligência, alardeada como sobrenatural desde a infância. Fiz o ginásio numa escola particular praticamente de graça porque a dona da escola me considerava um gênio. Fiz o colégio com 100% de bolsa de estudos numa das melhores escolas de Santo André. Passei em 3 das 3 faculdades públicas que prestei. Era muito fácil pensar que “basta você se dedicar que tudo vai dar certo” nessa altura da vida. Ledo engano.

Não é todo mundo que ganha bolsa de estudos. Não é todo mundo que passa em faculdade pública. Não é todo mundo que encontra um financiador. Eu nem sonho em ter a capacidade técnica da Tabata, que teve uma formação realmente brilhante, mas eu tive oportunidades similares às dela, em menor escala, e sei que essas oportunidades fazem com que a gente realmente acredite em meritocracia.

Você só deixa de acreditar em meritocracia quando as portas começam a bater na sua cara. Ou quando você vê os seus companheiros de estrada ficando pelo caminho. A grande questão da meritocracia é que ela parte de uma base comparativa: para você se dar bem, um monte de gente precisa se dar mal. E o discurso meritocrático vende que isso é parte da vida, que as coisas são assim mesmo.

Não são.

O Brasil, em especial, é um país em qur um monte de gente fica pra trás. A maioria das pessoas não tem condições de chegar aonde eu cheguei e um grupo ainda mais restrito de pessoas consegue chegar aonde a Tabata chegou. E, para essas pessoas, o discurso conservador não vai funcionar por muito tempo. E o discurso liberal não oferece respostas. Porque a resposta do discurso liberal é “se você não deu certo, a culpa é sua”.

Não, não é. A culpa é nossa. Como sociedade. Uma sociedade que não oferece oportunidades para todos é culpadapor todos aqueles que ficam no meio do caminho.

O Tabatismo é esse projeto que tenta vender a meritocracia como regra, e não como exceção. Para que a oposição ao conservadorismo seja o discurso liberal, e não a subversão de um modelo que forma 20 bilionários para cada 10 milhões de pessoas sem casa, emprego ou segurança alimentar. É um projeto que lembra dos famélicos oferecendo meritocracia como solução. Em um país como o Brasil, as pessoas precisam mais do que isso: precisam de roupas, de comida, de capacitação profissional, de moradia, e precisam criar e recriar conexões. Os conservadores acham que isso é “coisa de esquerda”. Os liberais, por sua vez, enxergam aqueles que ficaram pelo meio do caminho como instrumentos para fortalecer o discurao de meritocracia.

Ainda que a preocupação seja sincera, esse ainda é o discurso da Tabata. Um discurso inocente, que realmente acha que todo pobre pode abrir uma startup ou ser adotado por um bilionário. Ainda falta pra Tabata aquele movimento de olhar pra trás e se preocupar com aqueles que ficaram pelo meio do caminho. Se ela tivesse olhado, não teria votado como votou na Reforma da Previdência.

A Tabata ainda pode ser uma grande política. Talento pra isso ela tem. Mas pra isso ela precisa abandonar o Tabatismo e entender que todas as soluções, sejam elas pra Vila Missionária ou pro Brasil, precisam ser estruturais. Os 70% mais pobres do Brasil não precisam de ideias, precisam de apoios. De convivência. Não é errado o pobre empreender: é errado que um grupo político venda essa como a única solução e ainda não ofereça ao pobre as melhores condições para isso.

E o mais importante: pobre não é instrumento. O PT perdeu suas bases quando achou isso. Sabe por que a comunidade chama comunidade? Porque lá se estabelecem redes de ajuda mútua entre pessoas que sobrevivem com pouco dinheiro: a vizinha que olha a criança pequena pra mãe poder trabalhar, todo mundo dividindo o mesmo poste de energia, todo mundo se ajudando das mais diversas formas.

Contra a meritocracia da Tabata, do Lemann, do Huck e do discurso startupeiro, o antídoto é a noção de comunidade. A meritocracia mede as pessoas pelo tanto que elas podem chegar na frente das outras. A comunidade é aonde ninguém arreda o pé enquanto tiver alguém pra trás.

A Tabata ainda pode ser útil. Ela é útil em algumas ocasiões em específico, serve na hora de lutar contra o Bolsonaro. Quanto mais barricadas contra o fascismo, melhor. Ela é útil para tirar potenciais votos bolsonaristas. E isso tudo é muito legal. Rende uns memes. Pode causar demissões no staff do governo.

Mas ela nunca vai deixar de ser um apoio pontual enquanto ela não perceber que o mais importante não é quão longe o primeiro pode chegar, mas o quão perto o último está dos demais. Esse é o movimento mais difícil que alguém pode fazer. Exige humildade, empatia e entrega. É o contrário da meritocracia.

Se todos nós, incluindo a Tabata, pudermos aprender essa lição depois de tudo o que aconteceu, já vai ser um bom começo.

Anúncios

2 comentários sobre “O Tabatismo e a Meritocracia

  1. Caramba! Fantástica fábrica as tuas colocações. Parabéns.

    Ainda eu mesmo não tenha completo acordo com a ideia de que “melhor com a gente, do que com eles” porque para mim a prática concreta – tipo o voto dela – se impõe diante de qualquer “mal menor”, é interessante se falar a respeito e você pontuou questões importantes diante do “ninguém aguenta mais falar de Tábata”. Concordo. Devemos falar sobre o que é importante: essa confusão política e ideológica diante da bipolaridade brasileira.

    Parabéns!

    Curtir

  2. Pingback: - platonia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s