A Origem do que eu Acredito

Eu acredito no que eu acredito não porque eu sou de esquerda ou de direita, mas porque eu sou cristão.

E eu tento a cada dia ser cristão não como quem usa Cristo como uma marca, mas no sentido bíblico, do cristão como o imitador das atitudes de Cristo, revelado pela primeira vez em Antioquia, conforme o relato de Atos dos Apóstolos.

Como cristão, eu entendo que sou uma pessoa totalmente degenerada pelo pecado. Que eu fui resgatado pelo amor e que minha missão é entregar minha vida em favor dos outros como Cristo entregou.

Ainda falho bastante nisso, porque minha natureza degenerada pelo pecado grita dentro de mim enquanto o amor inexplicável de Deus me sustenta.

Eu não sou melhor que ninguém por causa disso, mesmo porque preciso a cada dia transformar esse maravilhoso amor de Deus em atitudes. A manifestação prática do amor de Deus é o amor ao próximo.

Como cristão, eu tento não me ofender, por um motivo simples: eu não tenho nenhum direito por mim mesmo. Eu sou um pecador degradado e devo absolutamente tudo ao amor de Deus.

Quando uma feminista me fala que “todo homem é um estuprador em potencial”, eu concordo com ela, porque eu sei o quão degradado eu sou e o quão miserável eu me torno sem o amor de Deus. E sei que todo mundo é assim, todos nós compartilhamos essa natureza degenerada e somos capazes de coisas horríveis quando pensamos em nosso próprio interesse.

Quando um homossexual fala que “todo cristão é um maldito homofóbico” eu também concordo xon ele, porque sei que sem experimentar o verdadeiro amor de Cristo as pessoas vêem a Bíblia como um livro legislativo e opressor, e não como um plano de revelação da Justiça e das relações de equidade em amor. As pessoas nas igrejas ofendem homossexuais porque acham que precisam se defender deles, e um cristão não deveria se defender de ninguem. De ninguém! O sentido da nossa vida é amar o próximo, seja o próximo aquele que está perto, seja o próximo o seguinte.

Quando um devoto de religiões africanas fala que “os evangélicos tem preconceito contra eles” eu concordo plenamente, eu sinto vontade de derrubar os muros e dar um abraço nessas pessoas para elas terem a consciência de que Deus é amor. Porque os evangélicos levantam muros quando deveriam derrubá-los, sufocam a luz do amor de Deus em uma cabana quando ela deveria ser um farol que guia o caminho dos desorientados até o porto seguro.

Eu não sou de esquerda ou de direita. Eu sou cristão. E, como cristão, eu preciso mais do que qualquer coisa na vida a amar o próximo primeiro, mesmo que isso implique na supressão do meu direito. O amor denuncia a injustiça dos que tornam a vida comércio, mas mostra o caminho da Justiça ao transformar a todos em um só, recuperando o senso mais básico que todos nós deveriamos ter: o de que somos, todos juntos, uma só humanidade.

Amor não é uma característica de Deus. E a natureza de Deus. Quando há amor, Deus se revela. A graça de Deus, que perdoa nossos pecados, não é nada além da demonstração prática do amor de Deus como uma disposição positiva que nos salva das nossas misérias. É nisso que eu acredito. E é por uma sociedade de equidade em amor que eu vou lutar todos os dias da minha vida.

Porque eu não sou de esquerda ou de direita. Eu sou cristão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s