Um Retrato do Sistema Penitenciário Brasileiro

Os recentes assassinatos ocorridos no complexo penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão, alertaram a população de que a política penitenciária no Brasil encontra-se em estado falimentar. As prisões são dominadas por facções e a reincidência criminal dos egressos de presídios no Brasil é uma das maiores do mundo: cerca de 70%.

Fachada do presídio de Pedrinhas (MA), em condições caóticas (Fonte: Zero Hora)

O Levantamento Sobre o Sistema Penitenciário Brasileiro em 2012, feito pelo Instituto Avante Brasil, foi publicado nesse mês de janeiro, e inexplicavelmente passou despercebido nesse contexto de crise penitenciária. O levantamento traz informações muito importantes sobre a realidade dos presídios em São Paulo e no resto do país. Algumas delas:

– Em 1994, a população carcerária catalogada no Brasil era de 129.169 pessoas. Em 2012, ela subiu para 548.003 pessoas. Um aumento absoluto de 324% na população carcerária, em um período de 18 anos.

– Em São Paulo, existiam cerca de 55 mil presos quando o PSDB entrou no governo, em 1995. Em 2012, eram 195 mil. É uma população carcerária de 474 pessoas a cada 10 mil habitantes, proporcionalmente a 4ª maior do país (atrás de Mato Grosso do Sul, Rondônia e Acre)

– Dentre essas 195 mil pessoas reclusas no estado de São Paulo, apenas 22% realizou alguma atividade laboral nos presídios no ano de 2012.

– No final de 2012, São Paulo tinha 195.695 detentos. Minas Gerais, a segunda maior população carcerária do país, tinha 51.598 presos. A população carcerária em São Paulo equivalia a 35,7% do número de detentos no Brasil.

– O Brasil conta com a quarta maior população carcerária mundial, atrás de EUA, China e Rússia. Em termos percentuais, o Brasil conta com 5,5% da população carcerária mundial, apesar de contar com apenas 2,7% da população mundial, em números absolutos. 

– Só o estado de São Paulo concentra cerca de 2% da população carcerária mundial.

– 63,2% dos presos brasileiros em 2012 não tinham completado o ensino fundamental, e 86,5% não chegaram a completar o ensino médio.

– 17% dos detentos brasileiros se declaram negros. De acordo com o Censo de 2010, apenas 7,6% da população brasileira é negra.

– 72,2% das pessoas estão presas por crimes contra o patrimônio. No entanto, o tráfico de drogas, que responsável por 25,5% das prisões, é tipificado ainda hoje como “crime contra o patrimônio”, o que mostra o fracasso histórico da política anti-drogas brasileira, derivada da americana (mais informações aqui)

– Pouco mais de 11 mil presos em São Paulo estudam nos presídios. Menos de 6%, abaixo da média nacional de 9%. É o 17º estado nesse quesito.

– São Paulo investiu mais de R$ 14,3 bilhões em segurança pública no ano de 2012, mas desse total, 5,7 bilhões eram obrigações previdenciárias

– São Paulo foi só o 9º estado que mais investiu em Defesa Civil no ano de 2012: R$ 33 milhões.

– São Paulo foi o estado que mais investiu em “informação em inteligência” na polícia em 2012: R$ 215 milhões, mais que a União, que investiu cerca de R$ 140 milhões.

– No final de 2012, o Brasil detinha a maior lotação em presídios dentre os dez países com mais detentos no mundo: 1,72 presos por vaga.

– No estado de São Paulo, a situação é mais grave: no meio de 2013, existiam 1,95 presos por vaga no estado. Na prática, o número de vagas em presídios teria que ser dobrado para atender a demanda por detentos no estado.

– Do total de detentos no Brasil, 195.036 cumprem prisão provisória. 35% da população carcerária ainda não teve seus processos julgados.

– 55% da população carcerária tem menos de 29 anos.

– Só no ano de 2012, o Brasil gastou R$ 61 bilhões em Segurança Pública. O estado de São Paulo investiu mais de R$ 14,3 bilhões em segurança pública no ano de 2012, mas desse total, R$ 5,7 bilhões eram obrigações previdenciárias.

Educação e Detenção

Apenas 9% dos detentos brasileiros praticam alguma atividade de estudo nos presídios, o que é muito pouco, considerando que 86,5% dos detentos não completaram o ensino médio.

Os detentos analfabetos são 5,4% e os que não informaram a escolaridade são 4,7%. Não existem dados concretos disponíveis, mas estima-se que mais de 90% dos detentos restantes, formados ou não no ensino médio, são oriundos de escolas públicas.

Quando você passa algum tempo em uma escola pública, fica com a impressão de que o ambiente lá serve pro jovem da periferia já se familiarizar com a prisão. Em outros estados deve ser igual, mas em São Paulo a escola pública estadual é um ambiente inóspito, cheio de grades e cheio de regras estúpidas. E nem é culpa dos professores ou dos diretores, a impressão é que a arquitetura das escolas já é feita para oprimir os alunos.

A política educacional catastrófica dos últimos 20 anos, especialmente no Estado de São Paulo, tem tudo a ver com a política de segurança com base majoritariamente punitiva do período no Estado, que só aumentou o tamanho do sistema penitenciário, tornando-o ainda mais caótico. É impossível estimar a quantidade de jovens da periferia que não seriam presos ou assassinados (nas estatísticas oficiais o Brasil teve mais de 50 mil pessoas assassinadas em 2012) se a escola pública realmente fosse um espaço estruturado em que o estudante tem oportunidades de construir uma estrutura de vida independente.

O grande trabalho que precisamos fazer no Brasil nos próximos anos é educar as pessoas pra liberdade sem voltá-las pro individualismo. É trabalho de longo prazo, mudança de cultura. Coisa que não se consegue em pouco tempo. E é algo que só se consegue intensificando a valorização da educação, inclusive no sistema penitenciário, para que 70% dos egressos das prisões não voltem a cometer crimes, como ocorre hoje.

Um comentário sobre “Um Retrato do Sistema Penitenciário Brasileiro

  1. Sinceramente, sabemos que a classe política deste país é uma escória mas os representantes do judiciário ganham de goleada dos políticos. Alguém, muito sábio e versado em números, me explica como que um presidiário que custa aos cofres públicos a bagatela de R$2.000,00 por mês aproximadamente, vive em condições sub-humanas, come uma lavagem que até os animais rejeitam, vive empilhado em celas como coisas, é impedido na maioria das vezes de estudar ou trabalhar, morre até de uma dor-de-barriga devido às péssimas condições sanitárias enquanto que há milhões de FAMÍLIAS que sobrevivem com dignidade com um parco salário mínimo? Onde vai parar este dinheiro, uma vez que dado o caos em que se encontra o sistema prisional brasileiro, sabemos que muito pouco ou nada é aplicado no sistema carcerário transformando os apenados em sub-seres relegados ao esgoto – literalmente falando. Se formos bem honestos e assumirmos que este dinheiro é desviado pelo poder mais podre da república então faz sentido que haja cada vez mais interesse em manter a população à beira da marginalidade para que a demanda por mais e mais presídios aumente e com isto aumente também a fonte de renda em que transformaram os apenados deste país.

    Curtir

Deixe uma resposta para Fernando Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s